Seguro-desemprego: Ajuste pode ajudar demitidos sem justa causa

Uma boa notícia em meio a tantas preocupações foi anunciada recentemente pelo Ministério do Trabalho e Previdência. 

Desde o dia 11 de janeiro de 2022, quem for dispensado sem justa causa, receberá um valor a mais no seguro-desemprego, conforme explica o advogado trabalhista André Leonardo Couto, gestor da ALC Advogados. 

O profissional da área jurídica, lembra que houve um reajuste no valor máximo do seguro, que passou de R$1.911,84 para R$2.106,08 e o piso, que segue a variação do salário-mínimo, saiu de R$1,1 mil para R$1.212,00. 

Com isso, o trabalhador que está se afogando na inflação, terá, pelo menos, um pouco de respiro no momento de necessidade.

O advogado destaca que o cálculo do valor que será recebido pelo beneficiário leva em consideração os três últimos salários recebidos. 

“A primeira situação que o trabalhador precisa entender é que existe o piso e o teto do seguro desemprego , mas só receberá o valor máximo, que é o teto, aquele trabalhador que tinha um salário acima de R$3.097,26 nos últimos três meses antes da demissão. Já os que recebiam um salário-mínimo terão o seguro no valor do piso, que é de R$1.212,00. Os pagamentos com os novos valores estão sendo feitos desde o dia 11 de janeiro e ressalto que o reajuste de 10,16%, conforme o Índice Nacional de Preços ao Consumidor (IPCA), vale para quem está recebendo o seguro-desemprego desde o ano passado e possui novas parcelas a serem pagas, além de quem ainda vai dar entrada no benefício”, explica.

Critérios

Segundo André Leonardo Couto, só poderá receber o novo seguro-desemprego quem se enquadrar nos critérios determinados pela legislação. 

“O benefício só vale para os trabalhadores que foram registrados em seus empregos via carteira assinada e dispensados sem justa causa. Além disso, que tenham trabalhado no mínimo 12 dos 18 meses anteriores da demissão, caso seja a primeira solicitação de seguro. Caso seja a segunda, então o período mínimo passa a ser de 9 dos 12 meses anteriores à demissão. Já na terceira solicitação em diante, é preciso ter trabalhado ao menos 6 meses antes da demissão. Lembrando que o seguro pode ser requerido entre 7 e 120 dias após a demissão sem justa causa, exceto no caso de empregados domésticos, em que o período é de 7 a 90 dias”, orienta o especialista em Direito do Trabalho.

O número de parcelas do seguro-desemprego pode variar, conforme aponta André Leonardo Couto. 

“O trabalhador com carteira assinada e que foi demitido sem justa causa, tem direito entre três e cinco parcelas do seguro-desemprego. Para receber 5 parcelas, o trabalhador precisa ter a partir de 24 meses trabalhados. Já para receber 4 parcelas, é necessário ter no mínimo 12 meses trabalhados e para receber as 3 parcelas, é preciso comprovar no mínimo 6 meses trabalhados. Mas ressalvo que só terá direito ao seguro-desemprego o trabalhador demitido sem justa causa e com contrato de trabalho suspenso em virtude de participação em curso ou programa de qualificação profissional oferecido pelo empregador. Além disso, o trabalhador resgatado da condição semelhante à de escravo e pescador profissional durante o período do defeso”, concluiu o especialista da ALC Advogados.

Fonte: Assessoria de Imprensa – ALC Escritório.

 

você pode gostar também

Este site usa cookies para melhorar sua experiência. Vamos supor que você está de acordo com isso, mas você pode optar por não participar, se desejar. Aceitar Ler Mais

error: Proibido copias